Bolsonaro é indiciado por falsificar cartão de vacinação contra Covid-19

Além de Bolsonaro, outras 16 pessoas também foram indiciadas pela Polícia Federal, numa investigação à falsificação de certificados de vacinas contra a Covid-19.

O ex-presidente  Jair Bolsonaro foi indiciado por associação criminosa e inserção de dados falsos no sistema público de saúde, no inquérito que apura a falsificação de certificados de vacinas contra a Covid-19.

Além de Bolsonaro, outras 16 pessoas também foram indiciadas pela Polícia Federal, incluindo o tenente-coronel Mauro Cid e o deputado federal Gutemberg Reis. Cid e Reis foram indiciados por ambos os crimes de inserção e falsificação. O tenente-coronel também foi indiciado por uso indevido de documento falso, conforme relatado pelo g1.

Os registros atuais do Ministério da Saúde, presentes no cartão de vacinação, indicam que o ex-presidente recebeu a vacina em 19 de julho de 2021 na Unidade Básica de Saúde (UBS) do Parque Peruche, na Zona Norte de São Paulo.

CONTINUA APÓS A PUBLICIDADE

Entretanto, a Controladoria-Geral da União constatou que Bolsonaro não estava na capital paulista nessa data e que o lote de vacinação registrado no sistema não estava disponível na UBS no dia da suposta imunização.

A CGU também identificou outros dois registros de vacinação em nome de Jair Bolsonaro, em 13 de agosto e 14 de outubro de 2022, em Duque de Caxias, Rio de Janeiro, mas ambos foram cancelados devido a “erro”.

Além disso, a CGU não encontrou nenhum registro correspondente às datas específicas das duas vacinações listadas no cartão de vacinação de Bolsonaro na região da Baixada Fluminense.

A investigação, iniciada pela Polícia Federal no início de 2023, apontava Mauro Cid, ex-auxiliar de Bolsonaro, como o principal envolvido no esquema.

Com a conclusão do inquérito, cabe ao Ministério Público decidir se irá apresentar denúncia à Justiça ou arquivar a investigação.