Mãe de Eliza Samudio critica liberação de goleiro Bruno

Em entrevista ao programa Fantástico, da TV Globo, Sônia de Fátima Moura, mãe de Eliza Samudio, morta em 2010 pelo goleiro Bruno Fernandes, disse se sentir inconformada com a decisão de soltura do acusado.

“Seis anos e sete meses pagam uma vida humana? Sou leiga para falar em leis, mas gostaria que a Justiça fosse mais ampla. Gostaria que ele cumprisse os 22 anos que foram dados a ele”, afirmou.

CONTINUA APÓS A PUBLICIDADE

“Por que ele acabou com a vida da minha filha de forma tão cruel e covarde? Queria dizer para o Bruno o seguinte: se você sofrer um por cento do que eu sofro hoje, você saberia o porquê de tanta revolta”.

Logo após ser solto, Bruno disse que nem mesmo se tivesse prisão perpétua no Brasil a vítima estaria de volta.

“Vou recomeçar. Independente do tempo que eu fiquei preso. Se eu ficasse lá, [se] tivesse prisão perpétua, por exemplo, no Brasil, não ia trazer ela [Samudio] de volta”, afirmou.

O ex-goleiro do Flamengo foi condenado a 22 anos e três meses de prisão pelos crimes de homicídio qualificado, sequestro, cércere privado e ocultação de cadáver. Ele cumpriu seis anos e sete meses do total, segundo informações do UOL.

Na noite da última sexta-feira (24), Bruno deixou a Apac (Associação de Proteção e Assistência aos Condenados) de Santa Luzia (MG), na região metropolitana da capital mineira, após determinação do ministro Marco Aurélio Mello, em decisão liminar (provisória).

Agora, ele ficará em liberdade enquanto o recurso contra a condenação não é apreciado pela justiça.
Fonte: Notícias ao Minuto