PF destrói máquinas de garimpo sob torres de energia no Pará

Extração ilegal de ouro e manganês ameaçava derrubar estruturas e causar cortes de luz.

A operação Guaraci, deflagrada para combater mineração ilegal na área da linha de transmissão de energia elétrica vinda da Usina Belo Monte no Pará, apreendeu maquinários e prendeui suspeitos em flagrante nas áreas de extração irregular de ouro e manganês.

O material apreendido, que inclui retroescavadeiras, motores e esteiras, foi destruído nos locais da apreensão.Um dos motores usados na mineração foi explodido pela PF.

CONTINUA APÓS A PUBLICIDADE
Banner ALE Mulher - 970

“Na ação integrada, foram cumpridos 16 mandados de busca e apreensão nos locais de degradação ambiental,foram realizadas prisões em flagrante delito, apreensões de minério e inutilização de equipamentos utilizados como instrumentos de crime”, afirmou a delegada Adriele Maiorka, chefe do departamento da PF em Marabá , sudeste do Pará.

A quantidade exata de material apreendido e como cada um foi inutilizado, assim como quantos presos e a identidade deles não foi informado pela PF.

Garimpo na base das torres de transmissão

Segundo a Polícia Federal, a atividade irregular ameaçava o fornecimento de energia no país, pois usava a área de segurança das torres de transmissão, cerca de 50 metros em volta de cada estrutura, como local de mineração. Isso colava a segurança das torres e de roda rede em risco.

“A atividade garimpeira era tão acentuada na base das torres que estava para comprometer a segurança e estabilidade, podendo causar, inclusive, a queda dessas estruturas e o desabastecimento energético em nível nacional, atingindo milhões de brasileiro”, disse a delegada Maiorka.

Essa extração ilegal ocorre sob a Linha de Transmissão Xingu/Estreito, que além do Pará, passa também por Tocantins, Goiás e Minas Gerais. Não foi informada a área total atingida, quantos garimpos localizados nem há quanto tempo funcionavam.

Mais de 30 viaturas e três helicópteros são usados para chegar aos locais na ação que envolve ao menos 120 agentes federais da PF, Agência Nacional de Mineração (ANM), Centro Gestor e Operacional do Sistema de Protecao da Amazônia (CENSIPAM), Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renovávei (Ibama) Força Nacional, Polícia Rodoviária Federal (PRF) e Conselho Nacional da Amazônia Legal .

A investigação segue em andamento. Os envolvidos podem pegar de seis a um ano de prisão e pagar multa por extração ilegal, descumprimento da legislação ambiental e crimes contra ordem econômica.

Ainda conforme a PF, a Operação Guaraci é e alusão ao “deus do sol na mitologia tupi-guarani, sendo a entidade responsável por trazer a iluminação e o calor até os mortais”.