TCU abre apuração sobre denúncias de assédio sexual do ex-presidente da Caixa

TCU atendeu a pedido do Ministério Público, que entendeu que os relatos de assédio sexual podem configurar 'flagrante violação ao princípio da moralidade', previsto na Constituição

O Tribunal de Contas da União (TCU) abriu apuração sobre as denúncias de assédio sexual contra o ex-presidente da Caixa, Pedro Guimarães .

O TCU atendeu a pedido do Ministério Público de Contas, feito pelo subprocurador Lucas Rocha Furtado.

CONTINUA APÓS A PUBLICIDADE

Segundo a representação, “quando praticado no âmbito da administração pública, o assédio gera a percepção, na sociedade, de que as instituições estatais não se pautam em valores morais nem são conduzidas segundo elevados padrões de conduta”.

No processo que abre a apuração, O TCU diz que as denúncias podem configurar violão ao princípio da moralidade na administração pública, previsto na Constituição.

“Apurar as notícias de que o sr. Pedro Guimarães, no exercício da presidência da Caixa Econômica Federal, cometeu assédio sexual e moral contra empregadas e empregados daquela instituição financeira pública, o que, além de caracterizar prática criminosa, configura flagrante violação ao princípio administrativo da moralidade, previsto expressamente no caput do artigo 37 da Constituição”, afirma o documento.

O subprocurador diz ainda que “o sr. Pedro Guimarães, no exercício da presidência da Caixa Econômica Federal, cometeu assédio sexual e moral contra empregadas e empregados daquela instituição financeira pública, o que, além de caracterizar prática criminosa, configura flagrante violação ao princípio administrativo da moralidade”.