Rondoniense encontra doador após 3 anos, mas morre antes do transplante

Construtor faleceu em cidade mineira onde fazia tratamento contra

Após mais de três anos em tratamento e a espera por um transplante de medula óssea, o vilhenense Ezequiel Margarida de Oliveira faleceu aos 44 anos na cidade de Ipatinga, em Minas Gerais, para onde se mudou a fim de fazer o tratamento.

Por telefone, a irmã de Ezequiel contou que ele havia conseguido um doador 100% compatível e que o transplante seria feito ainda em 2019, mas o construtor civil teve uma parada cardíaca, um AVC e entrou em coma. Menos de 24 horas depois, na madrugada da segunda-feira (02) ele faleceu.

Membro de uma família de sete irmãos, nenhum deles tinha a compatibilidade necessária para fazer o transplante e, diante da situação, a família chegou a mobilizar campanhas de doações.

Como maior parte de sua família está na cidade mineira, eles optaram por fazer o sepultamento de Ezequiel lá, e não em Vilhena. Ele deixa esposa e filhos.