Dólar passa a cair e chega a bater R$ 3,05

Moeda recuou 0,65% na véspera, após BC dos EUA não reforçar apostas de alta de juros já em março.

O dolar opera em queda, chegando a voltar ao nível de R$ 3,05 nesta quinta-feira (23), após o Federal Reserve, banco central dos Estados Unidos, não endossar apostas de aumento de juros em breve, e em meio ao ambiente de taxas mais baixas no Brasil que alimentavam avaliações mais positivas sobre a economia.

CONTINUA APÓS A PUBLICIDADE

Às 14h09, a moeda norte-americana recuava 0,16%, a R$ 3,0656 na venda, depois de cair 0,65% na véspera, a R$ 3,0705.

“Além de o mercado achar que o Fed não deve subir o juro agora em março, o BC brasileiro cortou a Selic, o que ajuda a impulsionar a economia e deixa investidores satisfeitos”, comentou o operador da Advanced Corretora, Alessandro Faganello, à Reuters.

Na véspera, a ata do último encontro do Fed mostrou que muitos membros do colegiado disseram ser apropriado aumentar os juros “em breve”, caso os dados de emprego e inflação estejam alinhados com as expectativas. O Fed se reúne novamente para tratar de política monetária nos dias 14 e 15 de março.

Entre os membros com direito a voto, no entanto, havia muito menos urgência de aumentar as taxas, com muitos vendo apenas “risco modesto” de que a inflação aumentaria significativamente e que o Fed “provavelmente teria tempo suficiente” para responder se surgissem pressões sobre os preços.

Dessa forma, os investidores ganharam tempo para deixar seus recursos aplicados em outras praças, como a brasileira. Juros maiores pelo Fed têm potencial para atrair recursos à maior economia do mundo.

No exterior, o dólar caía ante uma cesta de moedas e ante divisas de países emergentes, como os pesos chileno e mexicano.

Cenário local

O dólar também recuava no Brasil com o cenário um pouco mais positivo para a economia brasileira, após o Banco Central reduzir a taxa básica de juros na noite passada em 0,75 ponto percentual, a 12,25%, e deixar a porta aberta para acelerar o passo em breve.

Além disso, mesmo com os cortes, a Selic ainda é a maior taxa do mundo, segundo a corretora Infinity, o que mantém a atratividade do mercado brasileiro aos investidores.

O BC realiza nesta sessão o último leilão de swap tradicional –equivalente à venda futura de dólares– com oferta de até 6 mil contratos para rolagem dos contratos que vencem em março.

Fonte: G1