‘Espero encontrar um milagre, mas preciso viver com ela’, diz Céline Dion sobre doença

"Eu não lutei contra a doença, ela ainda está em mim e para sempre. Espero encontrar um milagre, um meio de curá-la com pesquisas científicas, mas preciso aprender a viver com ela."

A cantora canadense Céline Dion é capa da Vogue França para a edição de maio. Com uma carreira de grande sucesso, a artista, 55, falou para a revista sobre a síndrome da pessoa rígida, doença autoimune que enfrenta.

“Eu não lutei contra a doença, ela ainda está em mim e para sempre. Espero encontrar um milagre, um meio de curá-la com pesquisas científicas, mas preciso aprender a viver com ela.”

Dion disse que está vivendo uma rotina de exercícios, cinco vezes na semana, com atividades para o corpo e voz. Ela também salientou sua resiliência sobre a condição.

CONTINUA APÓS A PUBLICIDADE

A vida não traz respostas. Apenas precisa ser vivida! Tenho essa doença por uma razão desconhecida. Tenho duas escolhas. Ou treino como uma atleta e trabalho muito duro ou me desconecto e acabou, fico em casa, ouço minhas músicas, fico na frente do espelho e canto para mim mesma. Escolhi trabalhar com todo o meu corpo e alma, da cabeça aos pés, com uma equipe médica. Quero ser a melhor versão de mim mesma. Meu objetivo é rever a Torre Eiffel”, disse a cantora.

A síndrome da pessoa rígida é um quadro neurológico de caráter autoimune que acomete o sistema nervoso central.

Os sintomas são principalmente a rigidez dos músculos, que pode variar em intensidade e frequência. O paciente pode ter espasmos dolorosos nos membros como braços e pernas e também na coluna.

A artista falou também sobre a importância do apoio que recebe da família, dos fãs e dos filhos. “As pessoas que sofrem dessa síndrome talvez não tenham a sorte ou os meios de ter bons médicos, bons tratamentos. Eu tenho esses meios, tenho esse presente. Além disso, tenho essa força dentro de mim. Eu sei que nada vai me parar”.

Sobre a possibilidade de voltar aos palcos, a cantora não tem uma resposta definitiva.

“Hoje, não posso te dizer: ‘Sim, daqui a quatro meses.’ Meu corpo vai me dizer. No entanto, não quero apenas esperar. É difícil emocionalmente viver um dia de cada vez. Trabalho muito e amanhã será ainda mais difícil. Mas há algo que nunca vai parar, é querer. É a paixão. É o sonho. É a determinação”, falou Dion.

A cantora fez uma aparição pública em fevereiro deste ano no Grammy, onde foi responsável por entregar o prêmio de Álbum do Ano para a cantora Taylor Swift. A presença de Dion comoveu o público e fãs.

Em março, ela chegou a falar também sobre a vontade de voltar aos palcos, em uma postagem no Instagram. “Tentar superar esse distúrbio autoimune tem sido uma das experiências mais difíceis da minha vida, mas continuo determinada a um dia voltar ao palco.”

Perguntada sobre quais sonhos ela almeja atualmente, a cantora falou sobre a vontade de viver o agora e que se sente honrada. “Meu sonho é viver no presente. Sou realmente muito sortuda e estou honrada em fazer uma sessão de fotos para a Vogue França. Hoje, sou uma mulher que se sente muito forte para seguir em frente. Um dia de cada vez.”