Polícia pede prisão de mais seis suspeitos de participar do sequestro de Marcelinho Carioca

De acordo com o delegado, os suspeitos foram identificados após o trabalho da perícia, que localizou impressões digitais no carro do ex-jogador.

 A Polícia Civil de São Paulo pediu a prisão de mais seis suspeitos de envolvimento no sequestro do ex-jogador Marcelinho Carioca e uma amiga, ocorrido no dia 17 de dezembro de 2023.

Outros quatro suspeitos já estão presos preventivamente.

“Nós temos mais seis investigados que foram indiciados. Já foram encaminhados os pedidos de prisão e estamos aguardando [a decisão da Justiça]”, disse delegado Fabio Nelson, diretor da Delegacia Antissequestro.

CONTINUA APÓS A PUBLICIDADE

De acordo com o delegado, os suspeitos foram identificados após o trabalho da perícia, que localizou impressões digitais no carro do ex-jogador.

Os pedidos de prisão foram feitos em 27 de dezembro, e a investigação segue em andamento.

Segundo Fabio Nelson, os quatro suspeitos presos foram ouvidos e confirmaram ter participado do sequestro. A suspeita, diz o delegado, é que eles façam parte de um grupo especializado em sequestros que obriga vítimas a fazer transferências por meio de Pix.

Três suspeitos teriam afirmado, em depoimento, que cederam suas contas bancárias para receber valores extorquidos de Marcelinho Carioca, ainda de acordo com o delegado.

Os indiciados devem responder por extorsão mediante sequestro, associação criminosa e receptação.

Para a polícia, o grupo não sabia quem havia sequestrado, tomando conhecimento da identidade da vítima apenas no cativeiro. Eles teriam sido atraídos pelo carro que Marcelinho dirigia, uma Mercedes.

RELEMBRE O CASO

Marcelinho Carioca foi sequestrado após sair de um show do cantor Thiaguinho na Neo Química Arena, em Itaquera, zona leste de São Paulo.

Na volta para casa, o ídolo do Corinthians parou em Itaquaquecetuba para deixar ingressos para a amiga, que conhecia desde a época em que foi secretário de Esportes na cidade, quando foi abordado por um grupo armado, que pediu cartões, senhas, o desbloqueio do celular e acesso ao Pix.

Ao lado da amiga, Marcelinho ficou em um cativeiro recebendo ameaças, entre elas a de que seria submetido a uma roleta-russa.

Em um primeiro momento, ainda no dia 17, antes de o ídolo do Corinthians ser dado como desaparecido, uma pessoa não identificada pela PM teria feito um pagamento no valor de R$ 60 mil, supostamente a pedido de Marcelinho. De acordo com a PM, os sequestradores chegaram a pedir R$ 200 mil.

Na tarde do dia 18, já resgatado pela polícia, Marcelinho afirmou que havia sido coagido pelos criminosos a gravar um vídeo em que disse ter sido sequestrado após sair com uma mulher casada. No vídeo, que viralizou em aplicativos de mensagem, Marcelinho aparecia com o olho roxo e dizia que o autor do sequestro seria o marido da mulher.

A versão foi endossada pela mulher, que também aparecia no vídeo. Porém, segundo a polícia, a narrativa havia sido criada pelos sequestradores para despistar a polícia.