Em nota pública, Sindicato Médico faz alerta a profissionais e critica gestão da crise do coronavírus no estado

Simero afirma que o sistema de saúde colapsou e que médicos precisaram escolher qual paciente teria acesso à UTI. Governo informou que assunto será tratado em entrevista coletiva realizada na quinta-feira (4).

O Sindicato Médico de Rondônia (Simero) divulgou uma nota pública na noite de quarta-feira (3) onde faz um alerta aos profissionais e critica a gestão estadual da crise sanitária vivida em decorrência da pandemia do novo coronavírus.

Na nota, o sindicato afirma que o sistema de saúde colapsou devido a falta de leitos de Unidade de Terapia Intensiva (UTI), tanto na rede pública quanto na privada, a falta de respiradores, de recursos humanos e de estrutura no sistema, e faz críticas à Secretaria de Estado da Saúde (Sesau).

CONTINUA APÓS A PUBLICIDADE
COVID 970x250

“Como sindicato, temos buscado contribuir no combate à Covid-19, com a aquisição, confecção e entrega de EPIs, projetos técnicos, vídeos educativos, alertas, trabalhos e estudos dirigidos ao referido gestor, devidamente registrados em atas e ofícios, entretanto apesar desse enorme esforço, todos foram por ele, ignorados. Perdeu-se tempo, e os responsáveis engolidos pela falta de decisões e planejamentos eficazes.”

No documento, o Simero ainda diz que a Sesau teve três meses para planejamento e ações de combate ao coronavírus, mas “o que se viu foi a necessidade do ajuizamento de diversas ações para que a SESAU apresentasse soluções e planejamentos para combater a Pandemia”.

O sindicato também orienta os médicos a como agir em casos de falta de equipamento ou estrutura para o tratamento de pacientes com a Covid-19.

“Diante do CAOS, orientamos todos os profissionais médicos que redobrem atenção, com criterioso cuidado no preenchimento dos prontuários do paciente, formulando e anexando documento formal para relato dos fatos e deficiências. Em caso da ocorrência de óbitos por falta de UTI, falta de respiradores ou por uso de respiradores inadequados, é dever do plantonista relatar tais fatos, caso a caso, descrevendo minuciosamente evolução do paciente, ausência de suporte e ou estrutura, caso ocorram”.

Devido a falta de leitos de UTI, que chegou a alcançar a lotação máxima no início desta semana na capital, o sindicato afirma que os profissionais chegaram ao ponto de precisar escolher quem teria acesso ao leito.

“Chegamos aonde JAMAIS deveríamos chegar, ao ponto de termos que escolher a quem dar acesso ao leito de TERAPIA INTENSIVA; podendo chegar à situação em que o respirador poderá determinar quem morre e quem vive. É uma difícil situação para nós médicos, pois não temos poder de decidir quem vai viver, quem vai morrer”.

O que diz a Sesau sobre a carta do sindicato?

Em nota divulgada à imprensa nesta quinta-feira (4), a Sesau informou que não vai comentar sobre o assunto e ressaltou estar fazendo todo esforço para a saúde pública não entrar em colapso.

“Não vamos nos manifestar sobre isso. O trabalho que temos feito todos os dias temos mostrado e o esforço de todos os profissionais para evitar um colapso. Alias o secretário não disse que colapsou mas que poderia acontecer mas que estamos trabalhando pra evitar”, diz a Sesau.

Simero critica em nota gestão da crise do coronavírus no estado — Foto: Reprodução
Simero critica em nota gestão da crise do coronavírus no estado — Foto: Reprodução

Simero critica em nota gestão da crise do coronavírus no estado — Foto: Reprodução
Simero critica em nota gestão da crise do coronavírus no estado — Foto: Reprodução

Simero critica em nota gestão da crise do coronavírus no estado — Foto: Reprodução
Simero critica em nota gestão da crise do coronavírus no estado — Foto: Reprodução