Reitora da Universidade Federal de Rondônia renuncia ao cargo após três anos

Marcele Pereira, a 1ª mulher negra no comando da Unir, estava no cargo desde novembro de 2020. Em nota, instituição disse que saída de reitora se deve a motivo de saúde.

A reitora da Universidade Federal de Rondônia (Unir), Marcele Pereira, renunciou ao cargo nesta segunda-feira (23), após ficar três anos na gestão da instituição. Em uma nota pública divulgada à comunidade estudantil, a Unir diz que a professora Marcele tomou a decisão por motivos de saúde.

Marcele Pereira foi nomeada e assumiu a reitoria da Unir em novembro de 2020, para um mandato de quatro anos. Ela foi a primeira mulher negra a comandar a Universidade de Rondônia.

Segundo nota da universidade, a reitora já estava afastada de suas funções desde abril de 2023 em razão de ‘problemas de ordem pessoal’. Agora a instituição afirma que a professora precisa cuidar da saúde.

CONTINUA APÓS A PUBLICIDADE

Com a renúncia de Marcele ao cargo, a Unir comunicou o Ministério da Educação (MEC) nesta segunda-feira sobre a necessidade de realizar uma nova eleição interna, junto à comunidade acadêmica, para assim escolher um próximo nome à reitoria.

Leia também: Unir reserva vagas para pessoas trans, quilombolas e do campo e anuncia outras mudanças; entenda
“A Unir lamenta a necessária decisão tomada pela professora Marcele, ao mesmo tempo em que reitera o compromisso com a manutenção plena das atividades de ensino, pesquisa e extensão. A Unir também salienta que a transição para a escolha, pela comunidade universitária, de novo reitor ou reitora será conduzida de acordo com as normas já estabelecidas internamente e pela legislação pertinente, de modo a garantir a normalidade e manutenção dos avanços alcançados e prezando pelo melhor ambiente acadêmico e funcional para seguir em busca da necessária excelência na oferta de serviços à sociedade”, diz a nota da instituição.

Atualmente a Unir está num processo de escolha para o novo vice-reitor, “uma vez que, conforme definido em seu estatuto, a escolha para dirigentes é uninomial, com processos distintos de eleição”.