Dupla é presa com 25 pedras de diamantes retirados ilegalmente de Terra Indígena em Rondônia

Pedras teriam sido retiradas ilegalmente da Terra Indígena Roosevelt e seriam vendidas em Cacoal. Reserva é uma das maiores jazidas de kimberlito do mundo, considerada a rocha matriz do diamante.

Duas pessoas foram presas por transportar 25 pedras de diamantes que teriam sido retiradas ilegalmente da Terra Indígena Roosevelt, em Rondônia. De acordo com a Polícia Federal (PF), os suspeitos venderiam as pedras em Cacoal (RO), cidade onde foram presos no domingo (17).

A prisão foi realizada depois de uma denúncia anônima. Segundo a PF, uma equipe de federais, com o apoio da Polícia Militar (PM-RO) intensificaram as fiscalizações na região e por isso, foi possível localizar a dupla.

Os suspeitos foram encaminhados para a Polícia Federal de Pimenta Bueno, município que fica a 43 km da cidade onde foram presos. De acordo com a PF, após exame de corpo de delito, a dupla foi levada à Cadeia Pública de Cacoal.

CONTINUA APÓS A PUBLICIDADE
Gravação mostra garimpeiros negociando diamantes de terra indígena de RO para vender na Suíça por US$ 5 milhões

Gravação mostra garimpeiros negociando diamantes de terra indígena de RO para vender na Suíça por US$ 5 milhões

Saiba mais

Reserva Roosevelt

 

A reserva Roosevelt, de onde os diamantes foram extraídos, tem uma área de 231 mil hectares e fica localizada entre a divisa de Rondônia e Mato Grosso. Na área existem dois povos indígenas, os Cinta Larga e o povo Suruí.

Os grupos estão localizados administrativamente em quatro áreas: Terra Indígena Roosevelt, Parque Aripuanã, Terra Indígena Aripuanã e Terra Indígena Serra Morena, com cerca de 1.086 pessoas nas quatro áreas, conforme senso de 2000.

Um estudo da Associação de Defesa Etnoambiental – Kanindé, aponta que as terras indígenas do povo Cinta Larga, principalmente a terra Aripuanã, é uma das maiores jazidas de kimberlito do mundo. Kimberlito é considerada a rocha matriz do diamante.