Defesa Civil Municipal mantém distribuição de água mineral para famílias atingidas pela seca

Cerca de 700 famílias do médio e baixo Madeira sofrem com a falta de água potável devido à longa estiagem

Apesar de ter atingido a cota de 3,37 metros na quarta-feira (29), o nível do rio Madeira continua baixo em comparação com anos anteriores. Por conta disso, a Prefeitura de Porto Velho, por meio da Defesa Civil Municipal, segue fazendo o monitoramento e ao mesmo tempo entregando água mineral e hipoclorito de sódio para as famílias ribeirinhas, duramente afetadas pela seca histórica.

“Nesses últimos dias, na região do médio Madeira, atendemos as comunidades de São Miguel, Mutuns, Pau d’Arco e Bom Jardim. No baixo Madeira, as localidades contempladas com a entrega de água mineral e hipoclorito de sódio foram Terra Firme, Ressaca, Boa Vitória e Papagaio”, comentou o coordenador da Defesa Civil, Elias Ribeiro Barros.

Conforme o levantamento realizado, cerca de 700 famílias das regiões do médio e baixo Madeira sofrem com a falta de água potável. O prefeito de Porto Velho, Hildon Chaves, por meio do Decreto Nº 19.458, de 18 de outubro de 2023, determinou que a Defesa Civil realizasse a distribuição de água e hipoclorito (quando necessário), como forma de minimizar os impactos da seca.

CONTINUA APÓS A PUBLICIDADE

No baixo Madeira, mais quatro comunidades receberam a água e o hipoclorito

A Defesa Civil Municipal já está se organizando para a próxima viagem, quando realizará novas entregas de água mineral. De acordo com Elias Ribeiro Barros, a previsão é de que até o próximo dia 7 de dezembro a equipe fará novas entregas.

EM CASO DE TEMPESTADES

Com a chegada das chuvas intensas e tempestades, com riscos de alagamentos, quedas de árvores e interrupção no fornecimento de energia elétrica, entre outros transtornos que podem ocorrer, a Defesa Civil Municipal orienta a população que tenha cuidado para não sofrer acidentes, se protegendo da melhor forma possível.

Recomenda, por exemplo, que durante tempestades ou chuvas intensas, se possível, o mais indicado é ficar dentro de casa e longe das janelas; desconectar os aparelhos eletrônicos das tomadas; não tocar em cabos elétricos caídos e informar as autoridades; não ficar perto de árvores ou de barrancos; não atravessar ruas alagadas; desligar a eletricidade diante do risco de inundação; fazer inspeção na propriedade após a tempestade e verificar se há danos, entre outros cuidados básicos.

Caso seja necessário, em situação de desastres naturais, ambientais ou emergências similares, as pessoas devem acionar a Defesa Civil imediatamente pelo número 199 ou pelo WhatsApp (69) 9 8473-2112.