“Juntos Salvamos Vidas” é tema do Movimento Maio Amarelo para trânsito seguro

Abertura do movimento Maio Amarelo 2022, acontece na próxima sexta-feira, no Palácio Rio Madeira, em Porto Velho

Todo ano, no mês de maio, é realizado no Brasil e em vários outros países, o Movimento Maio Amarelo, que tem como objetivo promover uma ação coordenada entre o poder público e a sociedade civil. Em Rondônia, o Maio Amarelo é coordenado pelo Departamento Estadual de Trânsito – Detran/RO, por meio da Diretoria Técnica de Educação – Dtet, com a participação efetiva dos demais órgãos da autarquia e instituições públicas e privadas. A abertura do Movimento Maio Amarelo 2022 acontece na próxima sexta-feira (29), no Palácio Rio Madeira – PRM, Edifício Pacaás Novos, às 9h30; no Salão Nobre Rosilva Shockenes.

O diretor-geral do Detran Rondônia, Paulo Higo Ferreira de Almeida, ressalta quanto à relevância do Movimento Maio Amarelo, que traz para este ano o tema, “Juntos Salvamos Vidas”, escolhido pelo Conselho Nacional de Trânsito – Contran, para as campanhas dos órgãos que compõe o Sistema Nacional de Trânsito, é uma ação que tem a finalidade de chamar a atenção da sociedade para o alto índice de mortes e feridos no trânsito. “O trânsito é feito por pessoas; somos condutores de veículos automotores, somos pedestres, ciclistas e motociclistas; por isso, a importância do envolvimento de todos os atores nesse contexto”.

CONTINUA APÓS A PUBLICIDADE
Banner ALE Sobrevivente - 970

Paulo Higo destaca a importância do envolvimento do Poder Público e da sociedade nas ações

Paulo Higo reforçou ainda que, o Detran Rondônia estará intensificando as atividades que já são realizadas rotineiramente pela autarquia no Movimento Maio Amarelo, levando a mensagem e ações educativas da importância do Poder Público, instituições da iniciativa privada e sociedade em geral, para salvar vidas no trânsito.

O diretor Técnico de Educação de Trânsito – Dtet, Ruymar Pereira, disse que, durante o mês de maio serão realizadas ações do Movimento Maio Amarelo em todo o Estado com o objetivo de buscar a parceria e conscientização das pessoas para um trânsito mais humanizado e seguro para todos.

“Nossa intenção é envolver órgãos públicos, empresas, entidades de classe e a sociedade civil nesse grande movimento de mudança de cultura no trânsito, em que possamos nos colocar no lugar do outro e assim, juntos salvar vidas”, disse Ruymar Pereira.

A Dtet trabalha durante o ano, a educação de trânsito nas escolas, nas empresas, nas vias públicas, em grandes eventos, desenvolvendo assim, ações educativas, além dos projetos como o “Motorista Camarada”, que têm o propósito de conscientizar o cidadão que ingeriu bebida alcoólica, que volte para casa de táxi, transporte por aplicativo ou de carona; de preferência com alguém que não bebeu.

MOVIMENTO MAIO AMARELO

O Maio Amarelo é um movimento internacional de conscientização para redução de acidentes de trânsito, no qual conceitua que o trânsito deve ser seguro para todas as pessoas, independente de estar conduzindo um carro, motocicleta, bicicleta ou ser um pedestre.

Ruymar Pereira fala sobre vantagens de Educação e Fiscalização trabalharem juntos

Consta no Código de Trânsito Brasileiro – CTB, que no trânsito, o maior tem que cuidar da segurança do menor e cita como exemplo; um carro ao passar um ciclista, deve reduzir a velocidade.

O Movimento Maio Amarelo visa colocar em pauta o tema e convidar o poder público, iniciativa privada e sociedade em geral, para participar dessa discussão, objetivando reduzir os altos índices de acidentes e mortes no trânsito.

PNATRANS

A Organização Mundial de Saúde – ONU, decretou em 11 de maio de 2011, a Década de Ação para Segurança no Trânsito. Em 2021 entrou em ação o Plano Nacional de Redução de Mortes e Lesões no Trânsito -Pnatrans, criado pela Lei n° 13.614, de 11 de janeiro de 2018, que acrescenta o art. 326-A ao CTB e propõe um novo desafio para a gestão de trânsito no Brasil e aos órgãos integrantes do Sistema Nacional de Trânsito.

A meta do Pnatrans é, no período de dez anos, reduzir no mínimo à metade, o índice nacional de mortes no trânsito por grupo de veículos e o índice nacional de mortes no trânsito por grupo de habitantes; ambos apurados no ano da entrada em vigor da Lei n° 13.614, de 2018.

As metas de redução do índice de mortos no trânsito, são fixadas pelo Contran, para cada um dos estados da Federação e ao Distrito Federal, a partir das propostas do Conselho Estadual de Trânsito – Cetran, e da Polícia Rodoviária Federal – PRF.