Policia civil elucida morte do ativista político Heavy Ney e faz operação

Os investigadores descobriram que o autor do crime teria sido o agente funerário

Agentes da Delegacia Especializada em Crimes Contra a Vida (DECCV) após intensas investigações sob o comando da delegada Leisaloma Carvalho esclareceram o assassinato a tiros do mecânico e ativista político Nei Miranda, 55, conhecido como “Heavy Ney”, ocorrido em um bar na Avenida Amazonas, bairro Cuniã, zona Leste de Porto Velho (RO) na noite do dia 30 de abril do ano de 2016.

Os investigadores descobriram que o autor do crime teria sido o agente funerário E. S. C., 39, que já está preso desde o último dia 7 deste mês por matar a tiros o vigilante Irlan Rodrigues Barreto, 41, no dia 30 de setembro do ano passado na Rua David Canabarro, bairro Costa e Silva, na zona Norte de Porto Velho (RO).

CONTINUA APÓS A PUBLICIDADE
Banner ALE Sobrevivente - 970

Na ocasião, Eder foi preso enquanto trabalhava na Central de Óbitos da prefeitura no bairro Industrial. A vítima era  vigilante no mesmo local onde o acusado trabalha. O Rondoniaovivo acompanhou com exclusividade a prisão do acusado.

Já nesta sexta-feira (24) os policiais da Homicídios durante a “Operação Metal” cumpriram mandado de prisão preventiva contra o acusado.

Morte de Heavy Ney

Segundo as investigações, dias antes de morrer Heavy Ney teria discutido com o pai do agente funerário devido um terreno. O homem chegou a passar mal durante o bate-boca e foi internado.

O agente funerário revoltado então teria praticado o crime a tiros de pistola calibre 380. Heavy Ney estava sendo entrevistado por um historiador na hora da execução a tiros no bar.

Nei foi o fundador da antiga Oficina do Rock, que funcionava na Avenida Campos Sales e era considerado o mais antigo ‘roqueiro’ da capital.