Grupo de caça invadiu casa aleatória e matou três amigos

Segundo polícia, dois dos jovens mortos não tinha ficha criminal. Uma das vítimas, Cláudio Xavier, de 18 anos, era autista com grau leve.

Gabriel (à esquerda). Thiago (à direita) morreu dentro do guarda-roupas dentro de casa em Porto Velho — Foto: Reprodução/Facebook

A Polícia Civil continua investigando a morte de Cláudio Xavier Gomes, 18 anos, Gabriel Corrêa de Almeida, 21, e Thiago Souza, 29. O trio de amigos foi assassinado na terça-feira (22) em uma casa do bairro Teixeirão, Zona Leste de Porto Velho.

Os agentes já descobriram que os suspeitos, de forma aleatória, invadiram a residência atrás de um traficante da região. Como não o encontraram no local, o grupo decidiu executar os jovens.

CONTINUA APÓS A PUBLICIDADE

Ao G1, o investigador explicou que esse grupo integra a facção do Comando Vermelho (CV) e havia saído na noite do crime em busca de um traficante conhecido como ‘Diabinho’.

Comando Vermelho é o deflagrador do triplo homicídioOs bandidos montaram um grupo para caçar integrantes da facção rival no bairro Jardim Santana e não encontrando ninguém, daí atacaram aleatoriamente um local onde teria simpatizantes ou membros do Primeiro Comando do Panda (PCP), no caso a casa sem segurança onde estavam as vítimas relaxadas”, diz.

Como não o encontraram, o grupo decidiu atacar simpatizantes ou membros da facção rival.

Dos três amigos mortos em casa, o investigador diz que apenas um tinha envolvimento com facção. Os outros dois eram usuários de drogas.

“Thiago, seguramente, tinha intenção de vestir a camisa da facção. Já os demais só estavam mal acompanhados e acabaram sendo executados. Cláudio e Gabriel, apesar de usuários de maconha, não tinham passagem na polícia por nenhum crime, inclusive Cláudio era autista de um grau leve“.

Os jovens foram mortos na madrugada de terça-feira. Um dos jovens, Thiago, tentou se esconder em um guarda-roupa quando a casa foi invadida pelo grupo da facção rival.

 

Busca por ‘Diabinho’

Um dia antes do triplo assassinato, o grupo de caça já havia circulado na capital Porto Velho atrás de Diabinho.

Um boletim de ocorrência que o G1 teve acesso mostra uma tentativa de homicídio na noite anterior. No registro, a testemunha disse aos policiais que estava conversando com uma pessoa, quando uma moto vermelha se aproximou. O veículo era conduzido por um homem e na garupa tinha uma mulher.

Eles perguntaram se a pessoa era o “Diabinho” e, depois da afirmação, o condutor sacou uma arma e atirou. A vítima, na ocasião foi levada para a Upa e depois encaminhada ao Hospital João Paulo II.