Prefeito Hildon Chaves se reúne com representantes da Frente Nacional de Prefeitas e Prefeitos

Durante o encontro, prefeito foi convidado para participar da Comissão Permanente

Na ocasião, prefeito foi convidado para participar da Comissão Permanente de Prefeitos e Prefeitas pelo Desenvolvimento Urbano Sustentável da Amazônia

O prefeito de Porto Velho, Hildon Chaves, recebeu na manhã desta terça-feira (23) a visita de um representante da Frente Nacional de Prefeitas e Prefeitos (FNP), entidade municipalista que representa municípios brasileiros acima de 80 mil habitantes. A reunião foi realizada na sede da Prefeitura, no Prédio do Relógio, e contou com a presença do secretário Luiz Guilherme e da subsecretária de Planejamento, Raisa Tavares, ambos da Secretaria Municipal de Planejamento, Orçamento e Gestão (Sempog).

Durante o encontro, Hildon Chaves foi convidado para participar da Comissão Permanente de Prefeitas e Prefeitos pelo Desenvolvimento Urbano Sustentável da Amazônia, um espaço criado pela FNP para garantir que os gestores possam discutir, dialogar e compartilhar seus desafios em comum.

CONTINUA APÓS A PUBLICIDADE

Daniel Miranda, coordenador de relações institucionais e projetos da FNP, destacou que a Comissão faz parte da Coalizão para o Desenvolvimento Urbano Sustentável da Amazônia, iniciativa formada pela FNP, pela Agência Alemã de Cooperação Internacional (GIZ) e também pela WRI Brasil, organizações se uniram para discutir e fortalecer iniciativas desenvolvidas nas cidades amazônicas.

“Nós entregamos um convite para que o prefeito participe de uma comissão permanente, e a ideia é ter um espaço de debate para que as prefeitas e os prefeitos possam discutir os desafios e as oportunidades aqui da Amazônia Legal, que tem suas características, e portanto, precisa de um espaço para que essas especificidades sejam discutidas. A comissão foi instalada no final de novembro do ano passado, e o nosso objetivo em 2024 é definir uma agenda estratégica, para abranger os problemas e as especificidades da Região Amazônica, que é muito diferente de qualquer outra região brasileira”, destacou.