Saiba qual parte do cérebro nos ‘vicia’ em mentir

Caiu em alguma brincadeira do 1º de abril? Neurocientista explica como funciona nosso corpo quando mentimos

Você caiu em pegadinhas de 1ª de abril, ou conseguiu enganar amigos e parentes com alguma brincadeirinha? Quando mentimos, o nosso corpo reage dando sinais de nervosismo e ansiedade. Mas o que acontece exatamente com o nosso cérebro? Em entrevista ao ‘Fantástico’, a neurocientista Bruna Velasques explicou como o órgão “se acostuma a mentir”.

“Uma das áreas que tem uma maior ativação no cérebro do mentiroso é o Córtex Órbito-frontal e é uma estrutura muito associada às emoções sociais. Vergonha, culpa e tem essa relação do indivíduo com a aceitação no social”, comenta a especialista.

Outra região de maior atividade é o Córtex Cingulado Anterior, que costuma ser ativado quando a pessoa percebe que teve o sucesso ao mentir, sem ser pego. A especialista indica que esta região ativa certo “prazer” nos indivíduos.

“Uma terceira área que também tem a sua ativação é o Estriado Ventral […], que está associado a aspectos do reforço deste prazer e da formação do hábito. Conforme a mentira vai acumulando e acontecendo, essa estrutura também tem o aumento da atividade”, explica.

Segundo Velasques, a pessoa que começa a mentir vai criando um hábito, como se fosse “se viciando”.

“A tendência é que conforme ela [a pessoa mentirosa] vai tendo sucesso, não é descoberta, ela progride aumentando a mentira e continua na mentira”, revela.