Presidente da Comissão da Mulher Advogada da OAB/RO destaca que a violência doméstica foi a que mais cresceu no país nos últimos dias

Karoline Monteiro explica na maioria dos casos a violência começa pela psicológica

Com a pandemia do Coronavírus (Covid -19), o índice de violência contra a mulher no país tem aumentando significativamente nos últimos dias. A Entidade das Nações Unidas para a Igualdade de Gênero e o Empoderamento das Mulheres (ONU Mulheres) alerta para o aumento da violência durante a quarentena. O Brasil está em quinto lugar no ranking de países mais violentos para mulheres.

No Rio de Janeiro, por exemplo, foi noticiado pelo RJTV no dia 23 de março de 2020, um aumento de 50% das ocorrências envolvendo violência contra mulher.

CONTINUA APÓS A PUBLICIDADE
COVID 970x250

A presidente da Comissão da Mulher Advogada da Ordem dos Advogados do Brasil – Seccional Rondônia (OAB/RO), Karoline Monteiro, explica que são vários os tipos de violência contra a mulher, dentre eles, física, psicológica, econômica, moral e sexual, podendo ser praticadas isoladamente ou em conjunto.

presidente da Comissão da Mulher Advogada da Ordem dos Advogados do Brasil – Seccional Rondônia (OAB/RO), Karoline Monteiro

Ela explica ainda que muitas mulheres nem percebem que estão sendo vítimas de violência, ou não identificam as atitudes do companheiro como forma de violência.

“A legislação tem avançado no sentido de criar alternativas que visam à proteção da mulher. A Lei Maria da Penha representa um marco jurídico e prevê medidas protetivas para as mulheres em situação de violência, mas para ela ser aplicada é preciso que haja a comunicação para os órgãos competentes”, conta Karoline.

Karoline Monteiro ainda reitera que a denúncia é a melhor forma de encerrar com o ciclo de violência. Pedir ajuda de familiares e amigos também é uma forma eficaz de se “libertar” do agressor. A rede de apoio é uma estratégia fundamental para que a mulher denuncie e seja protegida.

Por fim, Karoline Monteiro reforça que para denunciar violências contra a mulher, basta acessar o site da OAB Rondônia (www.oab-ro.org.br) e clicar no ícone de acesso rápido da “Ouvidoria”, em seguida, escolher a opção “Ouvidoria da Mulher” ou entrar em contato com a Delegacia Especializada no Atendimento à Mulher e à Família (Deam) no disque 190.