Tite revela que deixa a Seleção depois do Mundial e lamenta não ter adversário europeu: “Não há possibilidade”

Em ano de Copa do Mundo, treinador participou do programa "Redação SporTV" com Marcelo Barreto e disse que não deseja fazer dois jogos com a Argentina: "É contraproducente"

O técnico da seleção brasileira masculina, Tite, participou na manhã desta sexta-feira do “Redação SporTV”, ao lado Marcelo Barreto. Em ano de Copa do Mundo, em novembro no Catar, o treinador deu a primeira entrevista presencial desde o início da pandemia e destacou, em primeiro lugar, o incentivo ao drible em orientação aos seus jogadores.

– Existe um passe, uma finta que você olha para o lado e mostra desprezo ao adversário. Nós sabemos disso. Por isso, a orientação é: faça, sim! Mas vá para o gol – disse ele no programa.

CONTINUA APÓS A PUBLICIDADE
Banner ALE Sobrevivente - 970

O treinador revelou que deixa a seleção brasileira depois da Copa do Mundo do Catar.

– Vou até o fim do Mundial. Não tenho porque mentir aqui – contou o treinador

Multicampeão no comando do Corinthians e com títulos com a seleção brasileira na bagagem, o treinador disse o que falta na estante de troféus: a conquista da Copa do Mundo.

– Não quero vencer de qualquer forma. Venci tudo na minha carreira, só me falta o Mundial – disse.

Participaram ainda da conversa com o treinador da Seleção o jornalista Tim Vickery e, virtualmente, o músico e apresentador do Canal Brasil, Charles Gavin. Mais informações em instantes.

O treinador também lamentou, uma vez mais, que não vai haver confronto com adversários europeus. Havia expectativa de confronto com a Inglaterra, mas Tite disse que não acredita no duelo.

– Gostaríamos, mas não há possibilidade – afirmou Tite, que ainda se manifestou contrariamente a duas partidas contra a Argentina – a suspensa das Eliminatórias e amistoso previsto em contrato comercial.

– É contraproducente. Não vai trazer benefício algum para nós.