Bebê da capa de “Nervermind” processa Nirvana por pornografia infantil

Spencer Elden, que ficou famoso como o bebê pelado da capa de “Nevermind”, disco mais conhecido da banda Nirvana, está processando o grupo musical por pornografia infantil.

A famosa capa retrata Elden debaixo d’água em uma piscina como sua genitália exposta, nadando em direção a um anzol com uma nota de dólar.

CONTINUA APÓS A PUBLICIDADE
Banner ALE Poder 3 - 970

A imagem é geralmente entendida como uma crítica ao capitalismo e jamais gerou outro entendimento, como deixam claras as ausências de protestos conservadores contra sua venda em lojas de discos. Fotos não sexualizadas de bebês nus não são consideradas pornografia infantil de acordo com a lei dos EUA.

No entanto, Robert Y. Lewis, o advogado de Elden, acredita que pode vencer o processo graças a uma interpretação incomum da imagem. Ele argumenta que a foto ultrapassa os limites da pornografia infantil porque a inclusão de dinheiro faz com que o bebê pareça “um trabalhador do sexo”.

“Os réus comercializaram intencionalmente a pornografia infantil de Spencer e destacaram a natureza chocante de sua imagem para promover a si próprios e a sua música às suas custas”, diz o processo, aberto no tribunal distrital da Califórnia. “Os réus usaram pornografia infantil para retratar Spencer, como um elemento essencial de um esquema de promoção de discos comumente utilizado na indústria da música para chamar a atenção, em que as capas mostram crianças de uma maneira sexualmente provocativa para ganhar notoriedade, impulsionar as vendas e atrair a mídia e crítica.”

O antigo bebê, que, como o próprio álbum “Nevermind”, completou 30 anos, está pedindo pelo menos US$ 150 mil de indenização de cada um dos alvos do processo, que incluem os membros sobreviventes do Nirvana, Dave Grohl e Krist Novoselic, a viúva de Kurt Cobain, Courtney Love, Guy Oseary e Heather Parry, gerentes do espólio de Cobain, o fotógrafo Kirk Weddle, o diretor de arte Robert Fisher e várias gravadoras existentes ou extintas que lançaram ou distribuíram o álbum nas últimas três décadas.

Curiosamente, o baterista original do Nirvana Chad Channing também é citado como réu, mesmo que tenha sido substituído por Grohl em 1990, antes do álbum ser gravado ou da foto da capa ter sido tirada. A única explicação possível para este erro é que são US$ 150 mil a mais na conta do bebê crescido.

Diz o processo: “Weddle tirou uma série de fotografias sexualmente explícitas de Spencer. Para garantir que a capa do álbum desencadeasse uma resposta sexual visceral do espectador, Weddle ativou o ‘reflexo de vômito’ de Spencer antes de jogá-lo debaixo d’água em poses destacando e enfatizando os genitais expostos de Spencer. Fisher comprou anzóis de uma loja de iscas e equipamentos para adicionar à cena. Pelo menos um ou mais cartuchos de filme foram expostos em um curto período de tempo, o que incluiu pelo menos 40 ou 50 fotos diferentes de Spencer. Cobain escolheu a imagem que mostra Spencer – como uma trabalhadora do sexo – agarrando uma nota de um dólar que está posicionada pendurada em um anzol na frente de seu corpo nu com seu pênis explicitamente exposto”.

A ação ainda cita uma passagem da biografia do escritor Michael Azerrad “Come as You Are: The Story of Nirvana”, que afirma que o então selo DGC, uma divisão da Geffen Records, queria usar uma imagem diferente, mas Cobain insistiu, supostamente dizendo que a única alteração que consideraria fazer seria cobrir o pênis do bebê com um adesivo dizendo: “Se você se ofender com isso, deve ser um pedófilo enrustido”. A gravadora, é claro, optou por lançá-lo sem o adesivo sugerido por Cobain.

Vale lembrar que Elden já recriou a pose da piscina várias vezes, inclusive como adulto, em celebração aos 10º, 17º, 20º e 25º aniversários do álbum. No entanto, na maioria das entrevistas que acompanharam essas sessões de fotos, ele expressou sentimentos conflitantes sobre ter ficado famoso pela capa de “Nevermind”. Mas nunca a tinha descrito como pornográfica.

Em 2016, a última vez que Spencer recriou a pose como um adulto, ele disse ao New York Post: “O aniversário significa algo para mim. É estranho que eu tenha feito isso por cinco minutos quando tinha 4 meses e se tornou uma imagem realmente icônica. … É legal, mas estranho fazer parte de algo tão importante que eu nem me lembro.

O que é fato é que a pose só rendeu US$ 200 para seus pais no dia do clique. Nas entrevistas comemorativas, ele disse que tentou entrar em contato com Grohl e Novoselic, de forma amigável, mas nunca obteve resposta. Uma possível controvérsia no processo é que os pais de Elden nunca assinaram papéis que permitissem qualquer uso da imagem.

“Nem Spencer nem seus tutores legais jamais assinaram um documento autorizando o uso de quaisquer imagens de Spencer ou de sua semelhança, e certamente não de pornografia infantil comercial para retratá-lo”, diz o processo.

O processo faz referência a várias outras capas de álbuns de rock: “O conceito e a criação desta imagem replicou campanhas polêmicas anteriores usadas para promover música com material sexualmente explícito retratando uma criança ou pornografia infantil completa, incluindo as capas dos discos “Virgin Killer” dos Scorpions, “Blind Faith”, do Blind Faith, e “Balance”, do Van Halen.

Em 2008, o pai de Spencer, Rick, relatou como ocorreu a sessão de fotos de 1991 para a NPR (National Public Radio). Seu amigo Kirk Weddle, o fotógrafo, “ligou e disse: ‘Ei, Rick, quer ganhar US& 200 e jogar seu filho na água?’”, lembrou o pai. “Eu fiquei tipo, ‘Como é?’, e ele disse: ‘Bem, eu estou fotografando crianças a semana toda, por que você não me encontra no Rose Bowl (centro aquático), joga seu filho na água?’ E acabamos de dar uma grande festa na piscina e ninguém tinha ideia do que estava acontecendo!”

Ele contou que a família não pensou mais sobre isso até que, três meses depois, viram uma ampliação gigante da capa na parede da Tower Records em Sunset Blvd, com a foto de Spencer. Dois meses depois, a Geffen Records enviou a Spencer Elden, de 1 ano de idade, um álbum de platina e um ursinho de pelúcia.