Organização Mundial da Saúde faz reunião emergencial sobre casos de varíola na Europa

Recentemente, mais de 100 casos foram diagnosticados ou estão em investigação na Europa

A OMS (Organização Mundial da Saúde) fez uma reunião de emergência na 6ª feira (20.mai.2022) para discutir o surto de varíola dos macacos na Europa. A infecção viral é mais comum na África Ocidental e Central. Recentemente, mais de 100 casos foram diagnosticados ou estão em investigação na Europa.

Ao menos 9 países europeus já reportaram infecções pelo vírus: Alemanha, Bélgica, Espanha, França, Holanda, Itália, Portugal, Reino Unido e Suécia. Além deles, Estados Unidos, Canadá, Austrália e Israel também têm pacientes contaminados.

CONTINUA APÓS A PUBLICIDADE

O 1º caso europeu foi confirmado em 7 de maio, em uma pessoa que retornava à Inglaterra da Nigéria. Só na 6ª feira (20.mai), a Espanha registrou 24 novos casos, a maior parte na região da capital Madri. As infecções foram ligadas a uma sauna, que foi fechada pela vigilância sanitária.

O vírus causador da doença é transmitido por contato direto com animais ou humanos infectados e raramente é identificado fora do continente africano.

Apesar das preocupações, infectologistas não estimam que o surto evolua para uma pandemia, pois não se espalha tão facilmente como as infecções pelo novo coronavírus, por exemplo.

Não há vacina específica para a varíola dos macacos, mas as vacinas usadas contra outros tipos de varíola se mostraram até 85% eficazes, segundo a OMS.

Os sintomas da doença consistem em: febre, dores de cabeça e nas costas, calafrios, cansaço e erupções cutâneas, que se iniciam no rosto e se espalham para o resto do corpo. É considerada uma doença viral leve.

BRASILEIRO INFECTADO NA ALEMANHA

A Alemanha registrou o 1º caso de varíola dos macacos na 6ª feira (20.mai). A pessoa infectada é um brasileiro de 26 anos, segundo o Instituto de Microbiologia das Forças Armadas Alemãs.

De acordo com o Ministério de Saúde da Bavária, o paciente está em isolamento em uma clínica em Munique.

Antes de ir para a Alemanha, o brasileiro passou por Portugal e Espanha. Com um teste “especial” de PCR, foi feito um sequenciamento genético do vírus, que deve ser da subvariante da África Ocidental ou da África Central.