São Tomé e Príncipe entre os primeiros a receber seringas da Unicef

O Fundo das Nações Unidas para a Infância (Unicef) anunciou hoje que o arquipélago de São Tomé e Príncipe vai receber nos próximos dias seringas e equipamentos de segurança pessoal para imunizar a sua população contra a covid-19

“A Unicef enviou 100 mil seringas e mil caixas de segurança para vacinação contra a covid-19 para as Maldivas por transporte aéreo desde o Dubai, uma iniciativa que faz parte dos primeiros carregamentos de seringas relacionadas com a covid-19 que serão feitos ao longo dos próximos dias”, lê-se num comunicado disponibilizado hoje pela agência das Nações Unidas.

“Outros países incluídos nesta primeira onda de carregamentos são a Costa do Marfim e São Tomé e Príncipe”, apontou ainda o comunicado, que não especifica quantas seringas vão ser enviadas para o arquipélago africano lusófono.

CONTINUA APÓS A PUBLICIDADE
Banner ALE 970x250

A Lusa contactou a Unicef para saber quantas seringas e equipamentos de segurança serão enviados, mas ainda não teve resposta.

Na primeira estimativa de entrega das vacinas, a iniciativa Covax estimava entregar durante o primeiro trimestre cerca de 96 mil vacinas a São Tomé e Príncipe, de acordo com a informação disponível no ‘site’ da Unicef.

“As seringas de 0,5 milímetros [ml] e as caixas de segurança deverão chegar a Malé, nas Maldivas, na terça-feira, e nas próximas semanas, a Unicef vai despachar mais de 14,5 milhões de seringas de 0,5 ml e de 0,3 ml para mais de 30 países”, explicou a nota, especificando que as seringas de 0,5 são para a vacina da AstraZeneca e as de 0,3 são mais adequadas para a da Pfizer-BioNTech.

A diretora executiva da Unicef, Henrietta Forre, comentou que na “luta global contra a pandemia de covid-19, as seringas são tão vitais como a vacina propriamente dita”.

“É crítico ter um volume adequado de seringas já preparadas em cada país antes de a vacina chegar, para que quando chegar ela possa ser administrada de forma segura, o que permite que a imunização comece imediatamente e assim se reverta a tendência deste vírus terrível”, acrescentou a responsável.

São Tomé e Príncipe registou nas últimas 24 horas quatro óbitos associados à covid-19, o maior número num dia desde o início da pandemia, em março de 2020, elevando o total para 26 mortes, segundo as autoridades são-tomenses.

Com estes quatro óbitos, sobe para sete o número de vítimas mortais numa semana.

Desde segunda-feira foram identificados 27 novos casos, elevando o total de pessoas infetadas pelo novo coronavírus para 1.655. Destas novas infeções pelo SARS-CoV-2, 26 ocorreram na ilha de São Tomé e uma na ilha do Príncipe.

A pandemia de covid-19 provocou, pelo menos, 2.474.437 mortos no mundo, resultantes de mais de 111 milhões de casos de infeção, segundo um balanço feito pela agência francesa AFP.

A doença é transmitida por um novo coronavírus detetado no final de dezembro de 2019, em Wuhan, uma cidade do centro da China.