Violência de grupos criminosos aumenta e ameaça famílias no Haiti

A Polícia informou que, desde domingo (24), pelo menos 18 civis foram assassinados na zona norte da capital

A violência dos grupos criminosos que assolam a capital haitiana, Porto Príncipe, deflagrou uma guerra aberta nos últimos dias, com pelo menos 18 civis mortos em meio a relatos de incêndios de casas, assassinatos e casos de estupro.

“Homens armados da gangue ‘400 Mawozo’ incendiaram minha casa e mataram vários dos meus vizinhos antes de queimar a casa deles”, contou à AFP Lucien, morador de um dos violentos bairros da zona norte.

CONTINUA APÓS A PUBLICIDADE
Banner ALE Sobrevivente - 970

“Estupram as mulheres e as crianças quando conseguem entrar em uma casa”, acrescentou este homem, que preferiu não dar seu nome completo por medo de represálias.

Em uma cidade, onde alguns bairros já são dominados por redes criminosas, a violência dos últimos dias obrigou Lucien a abandonar sua casa para se refugiar com sua mãe doente em uma praça, na terça-feira (26).