Lançamento da 9ª Rondônia Rural Show Internacional será nesta quarta-feira; evento acontece entre 23 a 28 de maio

Para 2022, Estado de Rondônia espera mais de R$ 1 bi em negócios formalizados

O lançamento da 9ª edição da Rondônia Rural Show Internacional será realizado nesta quarta-feira (30), durante cerimônia  no Palácio Rio Madeira, em Porto Velho. Considerada a maior feira do agronegócio da região Norte e uma das mais expressivas do país, a Rondônia Rural Show, promovida pelo Governo de Rondônia, será realizada entre 23 a 28 de maio, no Centro Tecnológico Vandeci Rack, na cidade de Ji-Paraná.

O governador do Estado, Marcos Rocha, destaca que a feira funciona como uma vitrine das inovações e tecnologias do agro rondoniense, que visando ampliar a qualidade e a sustentabilidade dos produtos do campo, experimenta o aumento súbito da produção agropecuária. “A Rondônia Rural Show deste ano será marcada com grandes oportunidade para pequenos, médios e grandes produtores rurais do Estado. Durante o evento, os produtores terão acesso ao que há de mais moderno no agronegócio sem precisar sair do Estado”, reforçou o governador, destacando que nesta edição, a Rondônia Rural Show Internacional terá como tema “Mulheres do Agro” comprovando a força da mulher no agronegócio.

CONTINUA APÓS A PUBLICIDADE
Banner ALE Sobrevivente - 970

Governo de Rondônia reforça a importância da Rondônia Rural Show por ser uma vitrine de inovações e tecnologias

O titular da Secretaria de Estado da Agricultura (Seagri), Evandro Padovani, enfatiza que a Rondônia Rural Show tem como um dos principais objetivos, aumentar a visibilidade das transações comerciais travadas através do setor. “Todos podem participar das exposições com acesso à alta tecnologia. E isto, desde a área de produção, passando por equipamentos, insumos agrícolas, capacitação e inovação. Tudo através das vitrines tecnológicas”, indicou.

Padovani também abordou a chance de todos os envolvidos terem acesso a crédito “para que possam realizar os seus sonhos”. “E toda essa exposição, com publicidade e possibilidades comerciais se transformam em mais produção para Rondônia ‘porteira adentro’. Produzindo mais arrobas bovinas, litragem de leite, toneladas de milho, soja, arroz, feijão, café, cacau, enfim, todo o segmento produtivo é beneficiado”, acrescentou o secretário.

Antigamente, os produtores locais – pequenos, médios e grandes –, tinham de se deslocar para outros centros do agronegócio caso quisessem participar de feiras voltas ao segmento, seguindo para São Paulo, Rio Grande do Sul, Paraná, Bahia e demais localidades.

“Hoje o produtor tem a oportunidade de participar em sua terra. E pessoas próximas, vindas do Acre, Amazonas, e até de outros países como Bolívia e Peru, também. E elas vêm. Até porque a Rondônia Rural Show Internacional concede acesso ao que há de mais moderno na tecnologia usada a nível de Brasil para o Agro”, asseverou.

ECONOMIA DO ESTADO E MUNICÍPIOS

O secretário da Seagri também recorda que além de toda a publicidade relacionada à feira, há, movimentação da economia no município que recepciona o evento e nos do entorno.

“A Rondônia Rural Show ‘aquece’ a economia do Estado dos municípios, com fluxo nos eixos de hotelaria, restaurantes, serviços. E isto em Ji-Paraná, Presidente Médici, Cacoal, Ouro Preto e até Jaru”, acrescentou.

Evandro Padovani concluiu suas considerações reiterando que as empresas que vendem insumos no ramo movimentaram mais de R$ 900 milhões exclusivamente em decorrência da feira. Para se ter uma ideia do crescimento em termos de cifra, em 2012, primeira edição, os valores oficiais chegaram a R$ 186 milhões. Mais de 380% em montas comercializadas em 9 anos.

Agora a Seagri projeta, para 2022, pelo menos o dobro do valor em negócios do que o auferido na última feira, ou seja, algo em torno de R$ 1 bilhão.

“E Rondônia ganha também com a arrecadação de Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS), fonte de receita. Em suma, além de divulgar o potencial do Agro de Rondônia para o Brasil e o restante do Mundo, com as visitas das Missões Internacionais, há, também, retorno prático aos cofres do Estado”, concluiu.