Homens invadem residência e matam mulher com 20 facadas

Segundo o que relatou umas das testemunhas, os três estavam na casa usando entorpecentes quando cinco rapazes chegaram

Durante a noite de sábado, 19 de Março, a Polícia Militar registrou um feminicídio com requintes de crueldade em Espigão do Oeste – RO.

O caso ocorreu na rua Grajaú, no bairro Vista Alegre dentro de uma residência, onde a vítima, identificada como Iolanda, 23 anos, e outras duas pessoas estavam.

CONTINUA APÓS A PUBLICIDADE
Banner ALE Sobrevivente - 970

Segundo o que relatou umas das testemunhas, os três estavam na casa usando entorpecentes quando cinco rapazes chegaram com camisetas cobrindo o rosto e tentaram arrombar a porta da sala.

Durante a ação pediam para chamar a vítima, citando seu nome. “Chama a Iolanda, só quero a Iolanda”, repetia um dos criminosos.

Em seguida um rapaz entrou pela porta dos fundos e logo atingiu a vítima com vários golpes de faca, logo outros dois, também armados, surgiram e começaram a agredir a jovem.

Iolanda ainda tentou fugir para os fundos, mas acabou caindo na área e os criminosos fugindo do local.

Ao todo foram 20 perfurações, de acordo com relatos de peritos criminais da Polícia Técnico-Científica (POLITEC).

O Corpo de Bombeiros foi acionado para prestar os primeiros socorros, mas os militares constataram que a vítima já não apresentava mais sinais vitais.

A testemunha ouviu um dos autores dizendo para o comparsa que havia sido atingido, pedindo para ser levado ao hospital.

Nas proximidades do local, os policiais encontraram um chinelo e uma faca suja de sangue, que teria sido utilizada no crime.

Já no Hospital Angelina Georgetti, militares localizaram um menor recebendo atendimento, que negou participação no crime a princípio, mas acabou confessando que teria envolvimento.

O Conselho Tutelar foi acionado para acompanhar o caso, pois se tratava de menor, e pela gravidade dos ferimentos, o mesmo precisava permanecer sob cuidados médicos e precisaria ser encaminhado para Cacoal.

A Polícia Técnico-Científica (POLITEC) foi acionada para fazer os trabalhos de praxe, recolhendo a arma do crime e o chinelo de um dos autores, liberando o corpo para funerária de plantão encaminhar até a cidade de Cacoal.