Justiça de RO suspende audiência e julgamento de ex-vereadores presos

Vereadores sendo levados ao Fórum de Vilhena nesta sexta, 3 (Foto: José Manoel/Rede Amazônica)

Audiência e julgamento estavam previstos para esta sexta, em Vilhena. Defesa alegou que não teve tempo suficiente para estudar documentos.

A Justiça suspendeu a audiência de instrução e julgamento dos ex-vereadores presos, Carmozino Alves Moreira, Jairo Peixoto, Maria Marta José Moreira, José Garcia da Silva, e dos que foram reeleitos, Ângelo Mariano Donadon Júnior (PMDB) e Vanderlei Amauri Graebin (PSC), no final da manhã desta sexta-feira (3), no Fórum Criminal de Vilhena (RO), no Cone Sul. Com a suspensão, o julgamento será remarcado.

CONTINUA APÓS A PUBLICIDADE

A audiência e julgamento estavam previstos para acontecerem às 9h, porém, após a defesa dos acusados alegar que não foi intimada em tempo suficiente para estudar todos os documentos presentes nos autos do processo e recusar fazer perguntas as testemunhas, a juíza Liliane Pegoraro Bilharva decidiu pela suspensão.

No momento em que foi proferida a decisão da magistrada, quatro réus e 30 testemunhas estavam reunidos na sala do juízo, aguardando o início da audiência e julgamento. Entre os presentes, encontrava-se o empresário João Carlos de Freitas, que alega ter sido extorquido pelos acusados para conseguir a aprovação de um loteamento que pretendia implantar na cidade.

Os outros parlamentares que também respondem ao processo, Júnior Donadon e Vanderlei Graebin, não compareceram ao fórum, pois prestarão depoimento por meio de carta precatória em razão de estarem presos em Porto Velho.

A ausência do ex-vereador igualmente preso por crimes de corrupção, Antonio Marco de Albuquerque, conhecido como Marcos Cabeludo, foi justificada pelo advogado José Francisco Cândido.

“Meu cliente não é réu nesse processo, e sim em um outro movido pelo MP. Por isso, não há o porquê dele participar”, ressaltou.

Carmozino e Jairo voltaram para a Casa de Detenção, onde cumprem prisão preventiva, dentro de viaturas da PM. Já Maria Marta retornou para o Presídio Feminino. José Garcia cumpre prisão domiciliar desde o dia 2 de fevereiro, mas também foi escoltado pela polícia.

Até o fechamento desta reportagem, o TJ-RO não havia definido uma nova data para que aconteça a audiência e julgamento dos acusados.

 

Fonte: G1 RO