Cerca de 50 toneladas de troncos de árvores são retiradas por dia do cais no porto público de Porto Velho

No período da cheia é comum observar toneladas de troncos e galhos de árvores sendo arrastados pelas águas do rio Madeira. Grande parte desses resíduos fica encalhada no cais flutuante do Porto Público de Porto Velho, podendo comprometer a estrutura e a movimentação de balsas e rebocadores. Para garantir a segurança e normalidade nas operações portuárias, a Sociedade de Portos e Hidrovias do Estado de Rondônia (Soph) realiza a Operação Sedimentos, que é o manejo de troncos e restos de madeira retidos na estrutura do cais para o curso natural do rio.

Com esta ação, a administração portuária evita transtornos e riscos para as embarcações e movimentação no cais flutuante, responsável pelo embarque e desembarque de 10 mil toneladas de mercadorias diariamente, entre soja, milho e carga geral.

CONTINUA APÓS A PUBLICIDADE

Segundo o diretor Operacional da Soph, Edinaldo Gonçalves, a iniciativa garante a continuidade das operações portuárias no período de cheia do rio Madeira. “A quantidade de resíduos que desce no rio é muito grande, portanto, a necessidade de remover esses troncos retidos no cais para garantir a integridade da estrutura flutuante e evitarmos riscos, é primordial para a atividade portuária”, avaliou.

De acordo com Pedro Carvalho, responsável pela operação, a força da correnteza do rio e o grande volume de sedimentos dificultam o trabalho dos mergulhadores. “ Por dia, cerca de 50 toneladas de resíduos de madeiras são retiradas do cais flutuante e desviadas ao curso do rio. É uma atividade perigosa e requer muita atenção dos profissionais para liberar os entulhos presos à estrutura e empurrá-los ao leito do rio com segurança”, afirmou.

A bióloga Cristiane Lima, responsável pelo Núcleo de Gestão Ambiental da empresa pública, ressaltou que toda ação está sendo monitorada para garantir a integridade do meio ambiente, uma vez que os troncos e restos de madeiras de árvores que flutuam no leito do rio são parte integrante e necessária para o equilíbrio do ecossistema do rio Madeira.

Todos os anos o Porto Público da capital realiza este trabalho. Neste ano, a Operação Sedimentos teve início em março e terá sequência até o mês de abril. A estimativa para o acúmulo de dez dias do material é de aproximadamente 500 toneladas, o equivalente a 400 metros cúbicos de restos de madeiras, conforme o coordenador de Gestão Portuária da Soph, Edemir Brasil.

 

Fonte: Secom