Prefeitura oferece aula de ballet gratuita na zona Leste de Porto Velho

Oportunidade muda a vida de cerca de 170 alunas e suas famílias

Nesta segunda-feira (29) é comemorado mundialmente o dia da dança, por ser o dia do nascimento de Jean-Georges Noverre (1727-1810), um dos criadores do ballet moderno. Em Porto Velho o ballet tem um protagonismo especial: as mais de 170 alunas que participam do projeto social da Praça CEU. Promovido pela Secretaria Municipal de Indústria, Comércio, Turismo e Trabalho (Semdestur), através de seu Departamento de Desenvolvimento Socioeconômico (DDS), o ballet possibilita o contato com a dança, desenvolvendo as alunas não só no palco, mas também na vida.

Simone Gomes se emociona ao contar o que mudou desde que a filha, Sofia Gomes, iniciou no ballet, há três anos: “Mudou muita coisa, ela gosta de participar do ballet, é uma criança obediente, ela fica ansiosa para vir pro ballet, acorda cedo para se arrumar para a aula. O ballet é público e bem organizado, ano passado ela ganhou a roupa da apresentação do final de ano, do espetáculo, e esse ano ganhou o uniforme completo, só tenho gratidão”, relata simone, referindo-se à apresentação do final de 2023, nomeada “Eu sou princesa, eu sou real”, que foi um evento marcante para todas as alunas e suas famílias. “Foi lá no Palácio das Artes o espetáculo, foi lindo, todo mundo gostou”, relata Mira Simeia, mãe da aluna Giovana Dias, de oito anos.

A mudança de perspectiva, comportamento e interesses das meninas se mostra dentro e fora de sala, refletindo em um amadurecimento no convívio coletivo e suas responsabilidades. Mira, mãe de Giovana, conta ainda que sua filha evoluiu em diversos aspectos graças ao ballet da Praça CEU. “A Giovana tinha problema de coordenação motora; agora a professora fala que ela está mais atenta aos movimentos, está conseguindo acompanhar as outras crianças, melhorou a postura, ela gosta bastante”.

CONTINUA APÓS A PUBLICIDADE

Ana Gabrielly, de 10 anos, está no ballet da Praça CEU há dois anos, e lista os benefícios em seu desenvolvimento: “antes eu não me desenvolvia muito, eu era tímida, não conseguia andar direito, e depois que comecei a fazer o ballet, me desenvolvi muito mais. O ballet me ajuda na postura, para quando crescer eu não ficar com a postura baixa”.

Sobre suas preferências durante as aulas, Ana é categórica: “gosto mais quando é na barra, esticar a perna e das apresentações”. Apesar do nervosismo e ansiedade, a aluna se superou e hoje lembra com saudades do espetáculo.

INVESTIMENTOS NO BALLET

Em março deste ano, o ballet da Praça CEU recebeu investimentos oriundos da Vara de Execuções Penais do Tribunal de Justiça de Rondônia (Vepema), que possibilitou a compra de uniforme completo para as alunas e uma reforma na sala do ballet.

O espaço ganhou piso vinílico, um lustre, novas barras, espelhos e armários, tornando a sala mais adequada e confortável para a prática da dança. O investimento de cerca de R$ 80 mil também possibilitou a compra das roupas específicas para as pequenas bailarinas, como collants, saias, sapatilhas e acessórios de cabelo. Segundo a professora Bárbara Takase, os investimentos na sala e os uniformes gratuitos geraram interesse de novas famílias, apesar de não haver vagas disponíveis no momento.

A mãe de Giovana elogia a reforma: “A Prefeitura tem feito um trabalho excelente não só pela cidade, mas também aqui no ballet. Os uniformes são de excelente qualidade, está tudo muito lindo, tudo rosa na sala”, destacou.

A Prefeitura de Porto Velho investiu na estrutura da sala para que as meninas possam se desenvolver ainda mais e a gratidão é uma constante nas falas das mães e das pequenas bailarinas. “Eu agradeço muito, antes eu não tinha diversão, não acordava cedo para fazer o ballet, agora é muito diferente”, conta Ana Gabrielly, que acrescenta: “as coisas estão perfeitas, antes não tinha parede pintada, chão novo, cortina, ficou tudo mais perfeito e confortável”.

NOVAS PERSPECTIVAS

Além do desenvolvimento pessoal e motor, o contato com as artes através da dança também gera frutos profissionais para as crianças. A oportunidade de aprender uma dança de forma gratuita abre portas e os pais das alunas sabem disso, como relata Mira, mãe de Giovana: “É uma profissão né, o ballet, a dança, ela pode fazer futuramente outros tipos de dança. É uma profissão linda, maravilhosa, as artes e a dança”.

Segundo a professora Bárbara Takase, as aulas acontecem todas às segundas, quartas e sextas-feiras, pela manhã e tarde, para crianças de sete a 16 anos e, a partir de maio, a Semdestur vai abrir novas vagas para aulas às terças e quintas-feiras, para crianças de três a cinco anos, com o objetivo de atender 200 crianças no total.
“Além de resultados positivos na economia, educação, infraestrutura, também testemunhamos resultados no desenvolvimento das nossas crianças, no contato com a cultura, as artes e, aqui no ballet, vemos o brilho nos olhos e todo um futuro de oportunidades pela frente”, destaca a secretária da pasta, Glayce Bezerra.

A Praça CEU, localizada na zona Leste, é o espaço focado em lazer, esportes e serviços essenciais, onde a Prefeitura oferece emissão da Carteira de Identidade Nacional, serviços do Sine Municipal, para a geração de emprego, além de cursos profissionalizantes e escolinhas de esportes. Para mais informações, entre em contato pelos números: (69) 98423-4091 / (69) 98473-8216, na secretaria da Praça CEU, ou acesse o instagram @semdesturpvh.